sábado, 31 de outubro de 2009

Game Crap - Predator (NES)


No ano de 1989, qualquer moleque da época que jogasse videogame tinha um sonho em comum: poder controlar Arnold Schwarzenneger em qualquer jogo que fosse. Era um sonho simples, como qualquer sonho da época.

E eis que a Activision, talvez emocionada com os pedidos (e querendo engordar a conta no banco), resolveu acatar a decisão de fazer um jogo do filme Predator (Predador por essas bandas), com o nosso querido monte de músculos austríaco, hoje governador da Califórnia.

Mesmo entendendo a boa vontade da produtora, eu acredito que eles não entenderam direito sobre o que se tratava o assunto...e assim nasceu Predator ! O console escolhido foi, óbviamente, o NES, cujos 10 entre 10 garotos na época tinham um - menos eu.

Sempre fui seguista, mas sempre joguei nos Phantom Systems de vizinhos, portanto, conheci muita coisa bacana da Nintendo na época, como Chip and Dale, Megaman e o nosso saudoso Predator. Enfim, continuemos a falar sobre o dito cujo.

O estilo adotado no game foram as saudosas plataformas do prazer, estilo esse em alta na época, com vários representantes de peso, inclusive um certo game da Konami que poderia servir de AULA pra Activision de como fazer seu game se sair bem no mercado.

Só que esquerem alguns detalhes:
1 - Arnold não é rosa nem usa botas brancas no filme.
Sim, economizaram nos sprites do personagem principal, que acabou ficando ROSA, parecendo um açougueiro gay andando com um guarda-chuvas fechado debaixo do braço.

Eventualmente, tal açougueiro atira em PEDRAS, seres rastejantes verdes, alguns soldados, ou seja, é super fiel ao filme.....na verdade, parece O PRÓPRIO FILME JOGÁVEL......[/ironia off].

2 - Cadê o batalhão ?
Talvez quiseram economizar tempo e hardware e já colocaram o Arnold direto no game sozinho. Não se vê um mísero aliado no jogo todo, apenas Arnold cor-de-rosa pulando pelas fases...

Existem mais coisas a serem destacadas, mas vamos por partes aqui. Seu personagem pode encontrar desde metralhadoras até granadas, e o uso delas é ilimitado. Isso seria uma boa notícia, não ?

Seria se o jogo não fosse escalafobeticamente difícil ! E eu não digo no sentido de DIFICULDADE PRAZEROSA DE SE JOGAR, e sim no sentido #$@%#$@%$%@# da coisa mesmo ! Só xingando meio mundo pra se livrar do stress que é tentar jogar esse game.

Os pulos são tortos, por mais que se tente executar um salto preciso, seu boneco sempre escorrega pros lados e cai em abismos. Some isso à um sem número de fases com saltos mortais e teremos a maior quantidade de games-over e palavrões proferidos da história dos games.

Na primeira etapa do jogo, se cair no piso abaixo, pode reiniciar, pois acertar as malditas granadas na rocha pra abrir caminho é tarefa pra horas e horas. Tudo porque é muito impreciso os lançamentos de granadas, e ele não joga granadas rasteiras, o que lhe obriga a ficar calculando distâncias......E eu lá quero calcular distâncias ? Eu não estou jogando WORMS, eu quero é meter chumbo no Predador !!!

Em algumas fases (como a segunda, por exemplo), não te dão arma nenhuma e lotam a fase de inimigos, acho que esperavam que eu já tivesse dominado a arte de pular torto pra desviar de tudo e todos no jogo.

Com muita dificuldade (e botem MUITA nisso), cheguei na fase da caverna, onde coisas mais estranhas ainda surgem: plantas cuspindo espinhos, fantasmas voando, coisas bizarras atirando, um power ranger como sub-chefe, é tanta coisa estranha que só me resta pensar que o cara que criou o game só pode ter cheirado capim seco na hora de programá-lo.

Mas esperem, o melhor ainda está por vir....

plantas cuspindo espinhos, power rangers saltitantes....onde eu vim parar ?

Após vencer 3 ou 4 fases, surge uma novidade: a fase BIG ! Nessa fase, nosso açougueiro gay vira o Arnold de verdade, só que GIGANTE, em um cenário ROSA E AZUL, no qual a tela se desloca sozinha e só precisamos destruir bolas rosas e cabeças do Predador que flutuam no ar. Vez ou outra o próprio Predador aparece e aí é preciso se virar para acertá-lo rapidamente.

Desnecessário dizer que a fase é praticamente impossível de ser vencida, mas eu venci e fui até a fase 5 !! SIM ! Estou aguardando as palmas, podem começar :D !

Fase 5 essa que é praticamente um repeteco das outras, com plataformas em lugares diferentes e os mesmos inimigos também. Logo depois vem a mesma caverna, 265.38% mais difícil e com um novo power ranger como sub-chefe (que deve ser abatido com granadas, imaginem) e depois eu sei lá, desisti antes de surtar de vez.

Como já mencionei, os gráficos são razoáveis, tirando, óbviamente os personagens na tela. As fases tem até bastante detalhes, apesar de serem extremamente repetitivas.

As músicas, por mais inacreditável que pareça, são bacanas. Algumas até possuem passagens mais lentas, depois ficam rápidas, podendo até mesmo viciar o jogador à cantarolá-las depois.

Se fosse um jogo que tivesse sido melhor adaptado, poderíamos ter um clássico dos anos 80 em nossas mãos, mas aqui eu acredito que a pressa foi inimiga da perfeição, mais uma vez...

E não dá nem pra botar culpa no orçamento apertado, pois o filme é de 1987 e o jogo de 1989.

3 comentários:

  1. Putz, aluguei esse jogo uma vez... Foi só uma vez! xD

    É tenso mesmo!

    ResponderExcluir
  2. Espero que tenha pedido seu dinheiro de volta, P.A. :)

    ResponderExcluir
  3. Verdade, o som é o forte desse jogo.
    As músicas são show de bola!! De vez enquando ligo o emulador só pra ouvi-las e jogar um pouquinho tb

    ResponderExcluir