terça-feira, 29 de setembro de 2009

Captain Havoc

Capas americana e japonesa, respectivamente

Por: Data East
Ano: 1994
Gênero: Plataforma
1 Jogador





7.5
"...o jogo todo é cheio de diamantes para serem coletados..."




Antes de qualquer coisa: Captain Havoc não é um jogo ruim, muito menos genérico. Ele tem suas similaridades com qualquer outro jogo do gênero, mas consegue ser diferente.

A história é clichê, como todo bom jogo de plataforma precisa ter: o inimigo, no caso Bernardo, consegue um mapa de uma rara esmeralda e está disposto à tudo para encontrá-la. Havoc, nesse meio tempo, encontra uma mocinha vítima de naufrágio, caída na beira da praia. Ele a recolhe e ela recobra os sentidos.

Desesperada, pede à ele para recuperar um importante mapa que foi roubado. Nesse embalo, o inimigo aparece e rapta ela e o irmão (ou filho, sei lá) caçula de Havoc, invocando toda a jornada em busca deles e do mapa, bem como da tal esmeralda.

O jogo também atende pelo nome de High Seas Havoc, em sua versão americana, Captain Havoc na Européia e por Captain Lang, na versão japonesa. Uma curiosidade é que esse jogo saiu primeiro em terras americanas em 1993, pra um ano depois sair no Japão e Europa.

A primeira coisa que se nota no jogo é que Havoc corre de um jeito estranho e pula de um jeito mais estranho ainda. Isso fica evidente pra quem joga, o personagem é meio escorregadio demais. Diante disso, dá pra se confundir um pouco nos saltos, que precisam ser precisos sobre os inimigos.


Havoc ataca de duas formas: ou simplesmente pulando sobre o inimigo ou dando um chute no ar, que é acionado apertando o botão de pulo novamente. Esse segundo ataque é o único eficaz em alguns tipos de inimigos e chefes. Além disso, dá pra escapar rolando de alguns inimigos, bastando se abaixar e apertar o botão de pulo.

O jogo todo é cheio de diamantes para serem coletados, tal qual Sonic é com os anéis e Mario é com as moedas. Juntando cem, vem a óbvia vida. Além de diamantes, existem baús que devem ser destruídos com pisões, dentro deles estão desde jóias que valem pontos até vidas ou uma bota, que deixa Havoc mais rápido, além de pular mais alto.

Os gráficos do jogo são caprichados, tudo com cores vivas e movimentação de inimigos bem bacana. As fases geralmente são temáticas, passando por barcos, cidades, vilas, etc. À cada 2 ou 3 fases, um chefe lhe espera de braços abertos.


O som fica meio dividido: apesar de ter músicas bacanas (com inclusive uma opção chamada ORCHESTRA, que nada mais é que o sound test do jogo), as vozes e até alguns efeitos sonoros (quando se ganha vidas, por exemplo), tem aquele ronco característico do chip vagabundo de som do Mega. Nada que estrague a jogatina, mas é um fator negativo na boa trilha sonora do jogo.


Havoc é um belo jogo de plataformas. Se ignorar alguns poréns, como o personagem que parece andar no gelo descalço e alguns efeitos sonoros mais brabos, dá pra aproveitar bem, visto que ele tem uma infinidade de fases cheias de diamantes e passagens secretas.

Prós:
- gráficos bonitos de encher os olhos;

- músicas bem legais;

Contras:
- o controle sobre o personagem pode frustrar alguns;
- alguns efeitos sonoros ficaram roucos;

- poucos tipos de ataque;

NEXT - Super Fantasy Zone

9 comentários:

  1. Não demora eu paro pra jogar a sério esse. Curti o pouco que joguei.

    ResponderExcluir
  2. Esse jogo é muito bom !!!!!

    Gosto muito dele na dificuldade expert (ou hard sei lá) levou um toque, morre, fica difícil pra cara* principalmente nos chefes.

    É um ótimo jogo de plataforma, só não entendi o problema com a questão dele andar e pular, pra mim tudo normal, pelo menos não percebi nada.

    Por sinal, aproveitando, tem um jogo pouco conhecido e muito bom que eu queria sugerir, chama-se JEWEL MASTER, pouco conhecido mais muito bom, verdadeiramente excelente, se poderem coloca-lo na crítica seria legal, ta aí a rom do jogo.

    http://www.emuasylum.com/index.php?page=rombody&id=109778&system=Sega%20Genesis&title=Jewel%20Master%20%28J%29%20[c][!]

    UM ABRAÇO

    ResponderExcluir
  3. Guilherme, esse Jewel Master tá na lista aqui, logo ele pinta no Shugames.

    Sobre o personagem andar, achei ele meio escorregadio, nos saltos da quarta imagem fica complicado, pois é necessário precisão.

    ResponderExcluir
  4. Que ótimo que Jewel Master tá na lista, vai ser ótimo ver um blog lembrando dele. ^^

    ResponderExcluir
  5. Uma coisa que esqueci de dizer:

    Por acaso existe diferenças nos gráficos, dificuldade, jogabilidade das versões japonesas, americanas e europeias ? só vemos diferença nos nomes...

    ResponderExcluir
  6. Olha Guilherme, não testei as outras versões não, mas acredito que não haja muita diferença (só falta ser um caso à parte, como Shadow of the Beast).

    ResponderExcluir
  7. Acabei de testar o europeu Captain Havoc e o americano High Seas Havoc, e realmente tem diferença.O Captain Havoc tem uma fase a menos, no Captain vc já começa na fase do návio Pirate Chip enquanto a americana vc começa naquela floresta parecida com a Green Hill.Também notei que o Captain Havoc a jogabilidade é mais devagar que o High Seas Havoc.

    Já o japonês Captain Lang não achei em lugar nenhum.

    ResponderExcluir
  8. Nossa, valeu a pesquisa então Guilherme.
    Eu realmente vi uma imagem no google de uma fase muito parecida com a Green Hill do Sonic, mas achei que fosse uma fase mais pra frente do jogo.
    Valeu pelas informações cara.

    ResponderExcluir
  9. Esse lance da jogabilidade, eu não sei se vc percebeu, mas a jogabilidade é fortemente influenciada pelo Sonic. O jeito de andar e principalmente pular é parecido. O pulo é idêntico.

    Aliás, o jogo todo é influenciado pelo Sonic, a temática das fases, o personagem que é azul, trilha sonora, sem que o jogo se torne cópia.

    O jogo mais influenciado do Sonic que já vi, é o Kid Chaos, do Amiga. O jogo é quase uma cópia.

    ResponderExcluir