segunda-feira, 9 de julho de 2012

Kolibri (32X)




O 32X foi uma das várias incógnitas da Sega naquela época. Lançado com o intuito de turbinar o Mega Drive, o pequeno addon era, como eu chamava na época, um 24 bits meia boca, mas que gerou alguns bons e criativos jogos, bem como ports de outros games de sucesso que, por ironia do destino, ficaram pelo menos mais bonitos que os originais (falo de Blackthorne). 

Kolibri, por exemplo, foi um desses escassos jogos únicos pro "console", já que sua temática lembra demais o clássico Ecco, também da Sega. Mas, diferenciando-se do jogo marinho, aqui controlamos um ágil beija-flor, que inclusive atira e voa livremente, resolvendo diversos quebra cabeças na incansável luta contra os temidos insetos...




Kolibri poderia ser considerado um jogo à parte de Ecco, trazendo, dessa vez, um pássaro como protagonista. Os objetivos são parecidos, como encontrar algum item perdido, liberar passagens e etc. Mas Kolibri é muito mais focado em um shooter horizontal do que na exploração de cenários, como seu meio-irmão era. Aqui o que vale é ficar atento aos belos cenários e procurar se livrar dos inimigos o mais rápido possível.


as primeiras fases envolvem libertar as flores dos insetos para que mais Kolibris se aproximem

Como um pássaro atirador, Kolibri coleciona diversos tipos de tiros durante o jogo, desde lasers teleguiados até bombas e tiros mais potentes que seguem os inimigos. Além de tiros, nosso pássaro também pode pegar um escudo temporário além de energia. Aliás, falando de energia, Kolibri não possui a energia visível, ela só aparece quando se é acertado ou se encontra mais energia e é simbolizada por vários pássaros ao redor dele. Algo, no mínimo, inusitado.


desde grandes planícies até pântanos escuros, os cenários são lindos

Falando nisso, coisas inusitadas não faltam aqui. As fases do jogo, geralmente, se baseiam em quatro tipos: algumas onde é preciso limpar os inimigos ao redor das flores para que seus amigos possam se alimentar, outras onde a tela se desloca sozinha obrigando o jogador a se virar como pode pra se manter vivo (mais similar à um shooter), o terceiro tipo, onde entram alguns puzzles como pegar determinados itens, abrir passagens, etc e um quarto ainda, onde é preciso limpar a tela dos inimigos para que outro inseto maior libere o resto da fase.



Entre os perigos para Kolibri, além do toque em inimigos, posso citar os sapos e os camaleões que podem engolir o pobre pássaro se este passar próximo deles. O sapo, em especial, é um inimigo bastante perigoso, pois em muitas fases ele está posicionado em caminhos estreitos, o que obriga o jogador a usar o impulso do pássaro para poder ter alguma chance de passar vivo (botão C).


os maiores inimigos, tirando os insetos, são esses dois aí

Como podem notar, Kolibri é um jogo cheio de coisas diferentes e, bem por isso, algo único. Assim como Ecco, um dos seus maiores chamarizes está no visual, completamente destoante da maioria dos games da época. Se em Ecco o foco eram os oceanos, em Kolibri os cenários vão desde florestas, vales, cavernas e até cachoeiras enormes, todos muito bem representados por imagens caprichadas. O som também não é ruim, apesar das músicas serem escassas. Os efeitos sonoros se resumem no bater de asas dos pássaros e sons da natureza, como grilos, sapos, e insetos por todo canto, nada muito chamativo.

Apesar da linearidade do jogo (excetuando as fases com puzzles), o game não enjoa. Se você jogava Ecco e curte o estilo, Kolibri é um jogo obrigatório.


cuidado com quedas d'água e com formigas nas cavernas...

Resumão:
+ o visual realmente se destaca;
+ o próprio sistema de jogo, algo muito diferente da maioria;
- poderia ser menos intuitivo em alguns aspectos (barra de energia invisível? em um jogo praticamente de tiro ? wtf ?)

Final Score: 7.0

6 comentários:

  1. Cliquei nessa postagem só pelo nome do jogo. Por um segundo eu estava pensando que esse jogo era baseado naquele funkeiro Colibri.

    ResponderExcluir
  2. já tinha ouvi falar dele, é um dos games mais bonitos do 32X(com os poucos games do sistema...tinha que ser mesmo) desse console só tenho o Doom para jogar. estou esperando vocês falar de outros games para o sistema aqui. e se tem camaleões e sapos carnivoros nesse jogo? poxa vida!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu nunca ouvi falar neste jogo. Ele lembrar Ecco me assusta, sempre achei aquele jogo "dorgas" demais! hehehe
    Mas vc disse que ele lembra mais um shooter mesmo, então pareceu mais interessante.
    Os gráficos são realmente bem bonitos.
    O jogo é da própria SEGA, né? De fato naquela época eles ainda possuíam algumas idéias mais genuínas, independentemente se eram boas ou ruins.
    Muito bom o post.
    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Otima avaliação ^^ já to baixando pra play. Vc também podia colocar o enderoço da rom etc?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente não posso divulgar links para downloads de roms aqui.

      Excluir
  5. Era realmente um jogo belíssimo - tive um 32X mas na época o Kolibri não caiu em minhas mãos - sobrou pro emulador. O primeiro a rodar chamava-se AGES e demorou realmente diversas eras pra ficar jogável, rs.
    No fim das contas o Gens resolveu o problema e foi assim que tive o prazer de jogar Kolibri.
    Um espetáculo visual, os screens ao longo do post não mentem :)

    ResponderExcluir