domingo, 2 de junho de 2013

Mutation Nation (Neo Geo)




Alguns jogos exclusivos do Neo Geo tinham tudo pra se dar bem em outras praias também. Talvez pelo desempenho não fosse fácil portá-los, mas quem não queria jogar um Metal Slug ou King of Fighters oficialmente lançados para SNES ou Mega Drive? Claro, com suas devidas restrições, mas se fossem ports da qualidade de um Super Street Fighter II ficaria bacana...

Enfim, Mutation Nation é mais um desses jogos bacanudos que ficaram restritos ao Neo Geo e aos arcades da época, isso em 1991 e 1992, anos em que saíram versões japonesa e americana, respectivamente. Mas, por que Mutation Nation não recebeu um port para Super NES, por exemplo? O jogo é um belo beat'n up que lembra vagamente outro petardo dos arcades, Undercover Cops, que inclusive recebeu um port bacana pra SNES. E o lance do jogo pertencer à uma "rival" da Nintendo não quer dizer nada, pois Art of Fighting saiu pra SNES e é de 1992....


Mutation Nation (que nome, em?) se passa em 2050 econta a básica história de um cientista maluco, criador de um vírus maligno, que teve o laboratório explodido e sumiu misteriosamente. Nesse caldo todo, pessoas foram transformadas em mutações e cabe à dois jovens, que retornam à cidade depois de muitos anos, destruir tudo e devolver a paz. Serve bem como pano de fundo principalmente pra época, mas que soa datado hoje em dia. Afinal, qualquer motivo é motivo pra sair socando trombadinhas por aí, mesmo que estes tenham 2 metros de altura e possuam, digamos, tentáculos e chifres em lugares inusitados...


a briga é boa e o visual ajuda bastante também

Como o game é pra duas pessoas, cada uma vai controlar um protagonista, ficando restrito ao player 1 jogar como Ricky Jones e o player 2 como Johnny Hart, ambos idênticos no que diz respeito à jogabilidade, mudando apenas as cores e feições. São cerca de 6 estágios ambientados em locais pútridos da cidade, desde periferias até esgotos, uma auto-estrada entre outros. Um fator interessante é que o jogo possui vários sub-chefes antes de se encarar o líder do local, o que o torna um bom desafio, diga-se de passagem.


esse chefe dá trabalho, percebam que o cenário vai mudando conforme a luta avança

Outro fator curioso é que não existem itens para se coletar pelo chão. Sim, esse é um dos raros jogos de briga de rua onde não se pode usar uma FACA ou PEDRA para se defender, sendo tudo na base do chute, soco, voadora, joelhada e... PODERES! Seus personagens coletam 4 tipos de esferas mágicas que dão alguns poderes mágicos capazes de limpar a tela de inimigos. Cada uma delas (denominadas pelas letras A, B, C e D) dá um tipo de poder, então espere ver seu lutador virar um furacão, soltar raios das mãos, soltar bolas de energia entre outras maluquices. O tal ataque especial é ativado ao se segurar o botão de ataque até a barra se completar. Caso não tenha nenhuma esfera, o personagem desfere um golpe rápido, mas que consome energia. Outro golpe que faz a diferença em alguns momentos é acionado apertando os dois botões juntos, fazendo o personagem desferir um gancho que manda os inimigos para longe.


a magia do tornado é ótima contra esse chefe

Talvez a principal dificuldade em Mutation Nation sejam seus chefes. Desde o primeiro deles, é preciso estudar com calma seus movimentos para poupar energia. Até mesmo alguns sub-chefes pedem alguma estratégia para não perder muita energia, visto que são apelões ao extremo. Lá pelas fases finais então, alguns chefes são demoníacos e quase não abrem brechas para combos, obrigando o jogador a usar e abusar das esferas (se assim as tiver) ou de ataques corporais mais fortes.


esse chefe (lado direito) consegue quebrar seu combo, portanto, magias são necessárias

O visual do jogo é bastante competente, apesar das animações não se equipararem, por exemplo, às de Undercover Cops. Alguns inimigos pulam do fundo da tela, acionando um efeito zoom in/out muito bacana. As fases geralmente são curtas e os inimigos se repetem ao extremo, coisas comuns em beat'em ups da época. O som não explora muito, as músicas não tem nada de memorável que mereça citação, então, nada pra se entusiasmar aqui. Os efeitos sonoros também são básicos e possuem algumas vozes entre a pancadaria.

Mutation Nation, no geral, é um bom game de pancadaria de rua. É limitado por dois botões apenas, mas possui algumas coisas interessantes, como o sistema de magias (mesmo que exagerado) e também os chefes, desafiadores. Nada que jogando com um amigo que curte o estilo não facilite as coisas.

Resumão:
+ o sistema de combos é bem bacana;
+ visual do jogo em si é bem agradável;
- a dificuldade em alguns chefes desanima às vezes;
- poucos personagens pra escolher (na verdade, apenas 1);

Final Score: 6.5

7 comentários:

  1. Você voltou com tudo mesmo em Cosmão?!
    Um post atrás do outro,gostei.
    Eu já joguei um pouco esse jogo no emulador de Neo-Geo e achei legalzinho,mas nada muito impressionante.(Bem,essa é a minha opinião,pelo menos.)
    e por curiosidade Ricky Jones é o nome de um amigo do Hulk nos quadrinhos.

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia esse jogo, vou dar uma chance a ele qualquer dia...

    E, não sei porquê, lendo este post lembrei da série Turrican. Não sei se você já falou desses jogos por aqui, mas fica aí a sugestão para futuros posts. ^^

    Até mais.

    ResponderExcluir
  3. Pô, Cosmão, taí um jogo que eu não pensava em ver novamente em algum lugar. Um camarada meu trouxe na época do Japão, se me lembro bem.
    Como você mesmo deixou claro, era mais uma desculpa para justificar os cenários e estilo do jogo - o que, aliás, sempre gerava títulos bacanas pois, no fim das contas, nessa época a ambientação falava mais alto do que a história e tudo acabava muito divertido :)

    ResponderExcluir
  4. Olá!! encanta-me seu blog quisesse afiliarlo em meus sites e você enlaça ao mio, se aceita me responde com uma mensagem a emitacat@gmail.com
    beijos!!

    Emilia

    ResponderExcluir
  5. Fica aqui uma curiosidade sobre o jogo: Mutant Nation foi feito por fãs que a própria SNK chamou ao seu estúdio para darem novas idéias de jogos em 1991. Excelente artigo como sempre.

    ResponderExcluir
  6. Parabens otima materia. Espero que continue publicando materias do Neo Geo.

    ResponderExcluir
  7. Acho a maioria dos beat'ups de neo geo enjoativos e muito repetitivos.
    Principalmente na jogabilidade. Você só soca, da uma voadora,arremessa ou da 1 golpe quando agarra ( joelhada) e solta especiais de limpar tela ( repente do jogo).

    Esse mutante natiotion o que mais lembro e a voz do personagem ao carregar a magia : eeeeooooooooo

    Esse protagonista eu pensava ser o Kyo!

    ResponderExcluir