quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Kyatto Ninden Teyandee (NES)


Kyatto Ninden Teyandee, mais conhecido por essas bandas como Samurai Pizza Cats, é um jogo da Tecmo para o Famicom, lançado exclusivamente no Japão e baseado no desenho animado homônimo. O porque do jogo ficar exclusivo aos japoneses sendo que o desenho saiu pra esse lado do mundo, só os japas sabem responder. O desenho, produzido pela Tatsunoko Productions (sim, a mesma de Tatsunoko vs. Capcom), fez um relativo sucesso, o que é mais estranho ainda o fato do JOGO não ter estourado no mundo todo. E, sinceramente, é um dos jogos mais divertidos do Nintendinho...

É fácil, hoje em dia, encontrar versões traduzidas de jogos que só viram a luz do sol no Japão. Claro, ainda há um ENORME caminho a percorrer, com muitas relíquias sequer tocadas por este lado do mundo e que ainda estão exclusivamente no idioma japonês, mas, graças aos esforços de diversos times de tradutores, hoje podemos jogar muitos deles que sequer sonhávamos existir. Kyatto Ninden Teyandee é mais um deles, é bem fácil encontrar a rom completamente traduzida pro inglês. Não que isso seja absolutamente necessário num jogo como esse, então, fica a seu critério.


Apesar de do jogo ser baseado no anime, Kyatto Ninden Teyandee segue um padrão básico de jogos consagrados como Ninja Gaiden. Não vou me ater a contar fatos sobre o anime, já que o foco aqui é o jogo do Nintendinho. No game, controlamos 7 gatos diferentes, cada um com um poder específico mas divididos em dois times: o principal, formado por Speedy, Polly e Guido, onde escolhemos um deles para liderar o grupo dos ajudantes, formados pelo General Catton, Bat Cat, Meowzma e Spritz. Todos os ajudantes são bem específicos no que diz respeito à jogabilidade, tendo cada um uma habilidade diferente que pode e deve ser usada para avançar no jogo. O trio dos principais mudam apenas os ataques especiais entre eles além do alcance das armas (Polly tem o ataque mais curto em comparação com Speedy e Guido).



Dos ajudantes, temos:
General Catton: usado principalmente para quebrar grandes blocos que impedem passagens;
Bat Cat: é o único capaz de voar pelo cenário, alcançando lugares escondidos;
Meowzma: com ele é possível escavar na terra, abrindo buracos que podem estar recheados de itens;
Spritz: o nadador da equipe, muito rápido na água;

Cada um deles tem uma barrinha de HELP, que se desgasta conforme usamos suas habilidades. Com um item que se parece com uma noz, é possível recarregá-la, além do fato dela ir enchendo com o tempo. A segunda habilidade de cada gato é usada apertando-se pra cima mais o botão ataque. Esse ataque especial gasta a barra rosa (ninpo) e vem em três tipos: o projétil simples, o projétil em 3 direções e o especial máximo, que, no caso dos três gatos principais, consome metade da barra e mata todo mundo na tela. Nos outros 4 gatos ajudantes, cada um faz um movimento diferente que acerta boa parte dos inimigos próximos e consome menos da barra ninpo.



Notaram o quão profunda é a jogabilidade de Kyatto Ninden Teyandee? Mesmo assim, o jogo conserva o básico pule e ataque como forma mais simples de combate, o que denota a simplicidade unida à complexa gama de possibilidades de forma inteligente e eficaz. Excetuando Speedy e Guido, os outros gatos (incluindo Polly) tem ataques curtos, o que pode complicar em alguns momentos. Apesar disso, o ataque de Polly é concentrado e tira mais vida se feito seguidamente, principalmente em chefes.



O visual e design de fases do game é ótimo. Em termos de gráficos, temos uma boa gama de cores e bons desenhos tantos dos personagens principais quanto dos inimigos. Entre as fases rolam cutscenes que, se estiver jogando a versão japonesa, não vai entender nada. O design das fases começa bem simples, mas depois fica bem, digamos, complexo. O jogo toma rumos diferentes nas etapas avançadas, cada fase tem vários bifurcações e inclusives labirintos que te deixam rodando por um bom tempo até achar o caminho correto. Vale lembrar que vários caminhos significam vários itens e somar pontos e vidas em jogos dessa época eram praticamente lei.



Kyatto Ninden Teyandee não é um jogo difícil. Ele tem momentos de maior dificuldade talvez na exploração de alguns estágios, mas nada que o prejudique. A jogatina é leve e descompromissada, as músicas e efeitos sonoros ajudam bastante também, nenhuma música é inesquecível, mas também nenhuma delas acaba enjoando, nem mesmo o tema principal que se repete nas fases. Devo dizer que o game também disponibiliza escolher qualquer fase pra jogar entre elas, o que dá um tom de estratégia em escolher as fases mais difíceis ou fáceis pra continuar, dependendo do seu conhecimento do jogo.



No final, Kyatto Ninden Teyandee é um surpreendente jogo que me intriga do porque nunca veio a ser lançado oficialmente no continente americano. É robusto o bastante pra qualquer publisher da época se interessar em portá-lo, mas que, infelizmente, não foi o ocorrido e muita gente sequer conhece. Eu lembro que na época havia uma única locadora aqui na minha cidade que tinha esse jogo, e meu único colega com um Phantom System alugava quase direto. Não fosse por isso, eu jamais teria jogado essa verdadeira jóia naquela época.



Resumão:
+ visual chamativo, caprichado;
+ design de fases interessante;
+ 7 personagens diferentes pra escolher, dando uma ampla variedade de gameplay;
- é muito fácil realmente;
- o jogo é curto;

Final Score: 8

6 comentários:

  1. Esse eu tinha encontrado revirando o fullser do Nintendinho! Verdadeira pérola!

    Review bacanudo como sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu o encontrei da mesma forma, apesar da vaga lembrança de tê-lo jogado na época também!

      Excluir
  2. Me lembro de ter jogado na locadora esse jogo e ter ficado preso em uma das fases e não ter conseguido descobrir o caminho .

    ResponderExcluir
  3. Este jogo me traz um grande nostalgia, pois ele foi o primeiro jogo que peguei na locadora. Eu considero ele como um dos melhores jogos do nintendinho.

    ResponderExcluir