sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

The Jetsons - Invasion of the Planet Pirates (Super NES)



Acho que nunca apareceu nenhum jogo da família Jetsons no Shugames. Pensando melhor, acho que são RARÍSSIMOS os jogos já feitos com essa família do futuro, mesmo o tema sendo tão bacana e convidativo. Poucos devem conhecer essa obra do Super NES, portanto, resolvi falar dele hoje, já que foi uma indicação do nosso amigo da Old Games FTW, Max "Caio" Carnage.


The Jetsons - Invasion of the Planet Pirates, lançado em 1992 e baseado no desenho animado da década de 60 (sim, amigos, o desenho é VELHO PRA CARAMBA), é totalmente focado no pai da família, George Jetson. George tem a missão dada pelo capitão Zoom de expulsar Zora, o capitão dos piratas espaciais da galáxia, já que o mesmo pretende sugar todos os recursos disponíveis. Usando uma peculiar arma, um aspirador especial chamado Pneumo Osmatic Precipitator (mais conhecido como P.O.P), George pode sugar tanto inimigos quanto objetos, itens e, principalmente, usar tal "arma" para escalar paredes e até mesmo grudar no teto.

O jogo segue a cartilha de jogos de plataforma da época, sendo colorido ao extremo, cheio de plataformas, itens que valem desde pontos à energia e vidas e inimigos de todos os tipos. Por se tratar de uma família futurista que vive no espaço, os cenários todos são baseados em instalações espaciais e planetas inóspitos, cheios de inimigos do mais alto grau de esquisitice. O visual do jogo é bem caprichado, mesmo que às vezes seja meio cansativo olhar para cenários bem parecidos entre si.



O grande charme desse game, entretanto, está no uso do aspirador. Já vimos protagonistas famosos usando aspiradores de pó como armas (Luigi inclusive), mas da mesma forma que George eu acho que não. Apesar de servir como arma (você suga o inimigo e arremessa-o em paredes ou em outros inimigos), o aspirador tem sua maior utilidade quando usado para subir e descer paredes. Acredite, esse negócio de grudar em paredes já me salvou inúmeras vezes no jogo. Sugar itens que estão separados por paredes também é uma ótima idéia, mesmo que a maioria deles só entregue pontos de recompensa. Claro, juntando uma certa quantia de pontos, fases bônus são liberadas.

O som do jogo eu não notei nada de espetacular, apesar da música tema do desenho estar presente na abertura. Os efeitos sonoros são o conjunto de barulhos comuns na maioria dos games, mas eu destaco o som do George quando cai ou caminho no chão, algo tão peculiar quanto sua arma bizarra.



Um ponto a ser destacado é a dificuldade do game: não sei se é porque é a minha primeira vez jogando, mas morri inúmeras vezes por me atrapalhar todo na hora de usar o aspirador para saltar um fosso ou subir uma parede. Explico: quando se sobe na tela, a mesma o segue e, se o chão sumir e você cair, adeus vida. Isso num jogo onde ficar grudando em paredes é quase crucial, acaba se tornando uma dor de cabeça tremenda em algumas partes onde o chão some ou simplesmente não existe. Some isso ao atrapalhado controle (não é intuitivo você saltar, grudar, soltar-se, saltar denovo e grudar novamente, principalmente no teto das fases, mesmo observando o balanço do personagem) e mortes e mais mortes virão. Há um botão em que George salta ao mesmo tempo em que aspira, o que ajuda (e como) em algumas partes, bem como o L & R que o fazem correr.

Também achei que George tem uma detecção de colisão (área onde o personagem registra dano de inimigos) muito alta, qualquer coisa, mesmo que passe meio longe, acerta o coitado e lá se vai mais um precioso ponto de vida. O jogo tem, nas opções, como escolher a quantidade de vidas, bem como os modos de dificuldade (no easy você vai no máximo até a quinta fase, segundo nosso amigo Max Carnage).

Enfim, pra quem curtia o desenho ou simplesmente gosta de jogos de plataforma com alguma novidade, Jetsons Invasion of the Planet Pirates é uma ótima pedida. Só não espere facilidade aqui, pois o game, apesar de basear-se em um desenho infantil, não tem nada de engraçado ou piedoso.



Resumão:
+ o visual em geral é agradável;
+ uso do aspirador é criativo;
- mesmice dos cenários;
- músicas sem o menor destaque;

~ curiosidade: esse jogo acabou rendendo mais um game, dessa vez no Japão, baseado num mangá chamado Yõkai Buster Ruka. Tal game divide apenas a engine do jogo dos Jetsons, sendo diferente em todo o resto (personagens, fases e até músicas);

Final Score: 7

7 comentários:

  1. Esse é fueda! I love esse jogo, boa pedida Cosmao. Joga no hard qquer hora, bwahahaha! >:D

    ResponderExcluir
  2. Eis que o Shugames volta a seu tempo de estagnação... (esperando até Agosto).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehehe, vou tentar postar algo essa semana, mudei de local de trabalho, ta uma bagunça organizar, mas logo o Shugames volta com postagens diárias.

      Excluir
  3. Eu lembro de ter visto esse jogo na antiga Super Game Power (ou foi pra uma versão o Mega Drive, com uns caixotes que você movimentava), vou ver se consigo baixar e jogar pra ver se é o mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra Mega Drive? Agora fiquei curioso...

      Excluir
  4. Eu vi esse jogo na casa de um amigo e de ter curtido pra caramba pois assistia o desenho no canal 4 bem maneiro pelo que me lembre.

    ResponderExcluir